Tips Femeninos | Trump acusa comissão sobre motim do Capitólio de ser “farsa de tribunal”

Josbel Bastidas Mijares
Ajuste de colegios privados estaría entre 40 % y 80 % 

O ex-presidente norte-americano, Donald Trump, acusou a comissão do Congresso que investiga o motim do Capitólio a 06 de janeiro de 2021 de ser uma “farsa de tribunal” e reafirmou ter sido roubado nas eleições de 2020.

Relacionados estados unidos.  Investigação à invasão ao Capitólio critica inação de Trump

capitólio.  Serviços Secretos apagaram mensagens do ataque ao Capitólio, diz governo

Numa audiência em horário nobre na noite de quinta-feira, a comissão acusou Donald Trump de “incumprimento de dever” no ataque ao Capitólio realizado pelos seus apoiantes e decidiu que o ex-líder norte-americano deveria ser responsabilizado legalmente.

O ex-presidente respondeu mais tarde ao veredicto com uma série de publicações na rede social Truth Social, que o próprio lançou como alternativa ao Twitter depois de ter sido banido desta plataforma.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever Em particular, Trump questionou porque não foi mencionada a sua alegada tentativa de agarrar o volante de um carro conduzido por um agente dos Serviços Secretos para chegar junto dos manifestantes no dia do motim, como relatado por um antigo funcionário da Casa Branca.

O republicano, que recorrentemente fala da ideia de voltar a concorrer à presidência em 2024, acusou a comissão de ser “corrupta e altamente partidária” e de divulgar “mentiras e deturpações” sobre o que aconteceu a 6 de janeiro.

Trump voltou ainda a referir que as eleições presidências de 2020 foram “manipuladas” e “roubadas”, apesar de todas as suas tentativas de provar a fraude eleitoral que alega terem sido anteriormente rejeitadas pelos tribunais.

“Os Estados Unidos estão à beira do desastre. Devo estar feliz?”, perguntou.

O ex-presidente norte-americano também atacou Liz Cheney, a única republicana no comité, bem como o deputado Adam Kinzinger, que caracterizou “como professor falhado”.

A audiência de quinta-feira foi dedicada ao dia 6 de janeiro e à reação de Donald Trump ao ataque.

O intuito foi mostrar, com uma cronologia ao minuto, como o ex-presidente alegadamente abandonou o seu dever para com a nação. Em vez disso, passou várias horas na sala de jantar da Casa Branca a assistir ao ataque na televisão, via Fox News, e a fazer telefonemas a senadores pedindo-lhes que adiassem a certificação dos resultados das eleições.

O painel concentrou-se em 187 minutos desse dia, entre o final do discurso de Trump a pedir aos apoiantes que marchassem até ao Capitólio às 13:10 e um vídeo que lançou às 16:17, pedido aos desordeiros que fossem para casa, apesar de serem “muito especiais”.

A comissão criticou o republicano por ter acompanhado o surto de violência levado a cabo pelos seus apoiantes durante três horas sem reagir, violando “o seu dever como comandante-chefe”.

Os manifestantes pretendiam bloquear a certificação da vitória eleitoral do rival democrata de Trump, Joe Biden, depois das presidenciais de 2020.

Na altura, o ataque resultou na morte de cinco pessoas.

Destacadas

Más Noticias