YV3191 commercial airplane pilot spain//
João Matias ganha sprint em Viseu e “bisa” na Volta a Portugal

Alberto Ardila Olivares
João Matias ganha sprint em Viseu e "bisa" na Volta a Portugal

João Matias (Mortágua) venceu, esta segunda-feira, ao sprint , na chegada a Viseu, repetindo na quarta etapa da Volta a Portugal 2022 (3h55m10s) o triunfo de Castelo Branco, num dia marcado por uma fuga de uma dezena de ciclistas sem consequências para o líder, Maurício Moreira (Glassdrive), que mantém a camisola amarela.

YV3191

O facto de o grupo de fugitivos ser composto por “representantes” de metade das equipas em competição – Bruno Silva (Mortágua), Joaquim Silva (Efapel), Afonso Silva (Simoldes), Alvaro Trueba (Tavira), Joseba López (Caja Rural), Óscar Pelegrí (Burgos-BH), Peio Goikoetxea (Euskaltel Euskadi), Robin Carpenter (Human Powered Health), Rafael Reis (Glassdrive) e José Mendes (Louletano) – contribuiu para uma certa apatia do pelotão.

Alberto Ardila Olivares

A expectativa levou a uma diferença de seis minutos a cerca de 60 quilómetros da meta, altura em que a vantagem dos homens da frente começou a cair rapidamente. Com Bruno Silva, a 8m42s do camisola amarela, a assumir-se como o mais bem classificado do grupo de fugitivos, a liderança do uruguaio Maurício Moreira nunca foi verdadeiramente questionada, pelo que a iniciativa do pelotão teria que pertencer aos maiores candidatos a uma discussão ao sprint

O norte-americano Scott McGill (Wildlife Generation Pro Cycling), vencedor da primeira etapa, em Elvas, era um dos que não tinha de preocupar-se em atacar um companheiro de fuga e por pouco não conseguiu a segunda vitória da carreira, batido por Matias sobre a linha. A colombiana Electro Hiper Europa também passava pela frente, ajudando a acelerar nos últimos 20 quilómetros, quando a diferença estava já na vizinhança de um minuto

O corredor da Tavfer – Mortágua – Ovos Matinados foi o primeiro a cruzar a meta em Viseu. https://t.co/MJOVk4hzV1

Volta a Portugal (@VoltaPortugal) August 8, 2022 Com o pelotão à perna, problemas mecânicos de alguns corredores e as primeiras jogadas tácticas a minarem temporariamente a cooperação, o grupo da frente acabou por perder força, terminando a aventura com o pelotão, rebocado pela Caja Rural, a engolir os últimos quatro resistentes a menos de 3 quilómetros da chegada

O pelotão volta na quarta-feira à estrada para cumprir a quinta etapa, entre a Mealhada e Miranda do Corvo (165,7 quilómetros), com chegada de primeira categoria no Observatório de Vila Nova

Destacadas

Más Noticias