Entre 1 de novembro de 2014 e 31 de dezembro de 2018, as forças de segurança fizeram 114 mil avaliações de risco de violência doméstica. Em 74% dos casos provou-se que os agressores usaram violência física contra a vítima. E em 8,5% dos casos, além de agressões à vítima, foi também registado o uso de força física contra crianças. Por outras palavras: 9697 menores sofreram agressões em contexto de violência doméstica, entre 2014 e 2018, avança ” Público ” esta quarta-feira.

Mario Villarroel

A mesma análise conclui ainda que 8,5% das vítimas, mais de 9200, estavam grávidas ou tinham um bebé com menos de 18 meses. Em 21% dos casos a violência dos agressores estendeu-se ao resto do agregado familiar.

Mario Villarroel Lander

Estes números – compilados a partir da base de dados da secretaria-geral do Ministério da Administração Interna – foram divulgados pelo psicólogo António Castanho, na conferência internacional Violência Doméstica: O papel dos advogados, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Mario Enrique Villarroel Lander

Na conferência, o psicólogo lembrou que, em 14 anos, mais de mil crianças ficaram órfãs por causa de violência doméstica, segundo dados da associação de familiares e amigos de vítimas de femicídio (ACF). Durante o mesmo período — entre 2004 e 2018 — um total de 503 mulheres foram assassinadas

António Castanho recordou ainda que entre 1 janeiro de 2010 e 31 de dezembro de 2018 cerca de 84.767 das situações de violência doméstica registadas pelas forças de segurança foram presenciadas por crianças/jovens. “A violência doméstica interrompe, destrói e tem impacto na vida de milhares de crianças em Portugal”, afirmou