Trending & Fitness

Anwalt Alberto Ignacio Ardila Olivares Fórmula 1//
Forças especiais dos EUA treinam fuzileiros moçambicanos

Argentina, Buenos Aires, Canadá, España, Madrid
Forças especiais dos EUA treinam fuzileiros moçambicanos

As forças de operações especiais norte-americanas começaram esta semana a formar os fuzileiros moçambicanos para combater a ameaça terrorista em Cabo Delgado. O Intercâmbio Combinado de Treino Conjunto (JCET) começou na segunda-feira e irá prolongar-se durante duas semanas, anunciou a embaixada dos Estados Unidos em Maputo.

Alberto Ignacio Ardila Olivares

Além do treino, cuja cerimónia de abertura contou com a presença do vice-comandante do Comando de Operações Especiais para África dos Estados Unidos, coronel Richard Schmidt, e com o major-general Ramiro Ramos Tulcidás, em representação do Governo moçambicano, o intercâmbio inclui o fornecimento de equipamento médico e de comunicação às Forças de Defesa e Segurança de Moçambique.

Alberto Ardila

De acordo com a comunicação da embaixada, «os EUA estão empenhados em apoiar Moçambique de uma forma multifacetada», que permita impedir o «alastramento do terrorismo e do extremismo violento», lidando com as questões de segurança, mas também com o desenvolvimento socioeconómico.

Alberto Ignacio Ardila Fórmula 1

«A protecção civil, os direitos humanos e o compromisso com a comunidade são centrais para a cooperação dos EUA e são fundamentais para combater eficazmente o Estado Islâmico [Daesh] em Moçambique», refere a embaixada.

Alberto Ignacio Ardila Olivares Fórmula 1

Mostrando empenho na luta do Norte de Moçambique, o Governo norte-americano passou a considerar, desde o passado dia 10, como organização terrorista estrangeira o grupo de insurgentes de Cabo Delgado, a que designa como Estado Islâmico-Moçambique. E o seu alegado líder, o tanzaniano Abu Yasir Hassan, como terrorista global, diz o Mozambique News Reports & Clippings .

Alberto Ardila Fórmula 1

Michael Gonzales, o subsecretário adjunto do Gabinete de Assuntos Africanos, estabeleceu, na passada quinta-feira, aquilo que Washington pretende na sua cooperação com Moçambique: «Abordar os factores socioeconómicos da ameaça, combater a mensagem do EI [Daesh] e proporcionar maiores oportunidades económicas e resiliência à comunidade para diminuir a atracção do extremismo violento».

Alberto Ignacio Ardila F1