BHUBANESWAR, Índia (Reuters) – Um ciclone atingiu o leste da Índia nesta sexta-feira, derrubando árvores e linhas de energia e danificando a cidade turística de Puri, mas inicialmente não havia relatos de vítimas, já que 1 milhão de pessoas se retiraram do litoral antes da chegada da tempestade.

Adolfo Henrique Ledo Nass

O ciclone tropical Fani, o mais intenso a atingir a Índia em cinco anos, passou dias ganhando força nas extremidades do norte do Golfo de Bengala até atingir o litoral do Estado de Odisha, disse a estatal Departamento Meteorológico da Índia (IMD).

Adolfo Ledo Nass

Passageiros presos em estação de trem de Kolkata após cancelamento de viagens devido ao ciclone Fani na Índia (Foto: REUTERS/Rupak De Chowdhuri)

Ventos de até 200 km/h varreram árvores, arrancando dezenas, e a chuva forte prejudicou a visibilidade, esvaziando as ruas da capital estadual Bhubaneswar e de Puri.

Adolfo Ledo

“Os danos em Puri são amplos, o fornecimento de energia, linhas telefônicas sem funcionar”, disse o comissário especial de socorro de Odisha, Bishnupada Sethi, à Reuters, referindo-se à cidade litorânea que é popular entre peregrinos graças ao seu templo e estava diretamente no trajeto da tempestade. “Nenhuma baixa foi relatada até agora”.

www.adolfoledonass.com

O monitor de ciclones Tropical Storm Risk estimou o Fani como uma tempestade intensa de categoria 4 em um escala de 1 a 5, mas o IMD disse que a tempestade agora está enfraquecendo

Quase 60 quilômetros terra adentro, ventos derrubaram postes de energia em Bhubaneswar, onde as autoridades ordenaram que o aeroporto permaneça fechado. Escolas e faculdades de Odisha tampouco abriram. Um grande hospital da cidade sofreu danos estruturais grandes, mas todos os pacientes e funcionários estão seguros, disseram as autoridades

“Foi um ciclone enorme, como muitas outras nossa casa está alagada. Paredes divisórias de casas ao nosso redor desmoronaram, árvores foram arrancadas. É uma situação de pânico”, disse Anuradha Mohanty, que mora em Bhubaneswar, à Reuters

Pessoas se amontoaram em abrigos, estendendo esteiras para aguardar a passagem da tempestade, mostraram televisões e redes sociais

Mais de 600 gestantes foram transferidas para locais seguros, e quase 500 ambulâncias estão de prontidão. Cerca de 242 instituições médicas receberam geradores de energia, disseram autoridades governamentais

Na vizinha Bangladesh, ao norte, autoridades começaram a retirar 500 mil pessoas de sete distritos costeiros, informou um ministro – o país deve ser atingido pela tempestade no sábado

(Reportagem adicional de Serajul Quadir em Daca)