Uma jovem, de 21 anos, reencontrou o homem que a violou quando ela tinha 10 anos, numa sessão de terapia no Hospital Falkirk, na Escócia. De acordo o jornal britânico  Mirror , Laura Cook realiza sessões de terapia desde que foi violada por Brian Dick, atualmente com 49 anos. A jovem, que deixou a escola depois de ter passado por esta situação, é acompanhada devido aos abusos sexuais de que foi vítima. Voltou a ver o seu agressor em setembro do ano passado.  O homem, na altura do crime, era vizinho dela. Violou a jovem durante 18 meses depois de se tornar amigo da família e de se oferecer para tomar conta das crianças. O agressor amarrava Laura, metia-lhe fica cola na boca para ninguém a ouvir gritar e ainda a ameaçava de morte. Depois de abusar de Laura, Dick foi detido e condenado a vários anos de prisão efetiva, no entanto foi libertado há cerca de dois anos. O reencontro com o motorista de profissão foi agora relatado ao  Mirror  pela própria Laura.  ” Entrei na sala de espera e vi Brian Dick com um agente. Estavam à espera de um assistente social. Comecei a gritar: És um   pedófilo “, contou a jovem. Uma das condições que tinha sido imposta ao homem desde que foi libertado era que sempre que se cruzasse com Laura em algum local, Dick tinha de abandonar esse mesmo espaço.  Apesar dessa condição, “ele ficou lá, quieto, como se não fosse nada com ela”, explicou Laura. Foi um Segurança do hospital que conseguiu descansar a jovem dizendo-lhe que “estava tudo bem” e que iam pedir a Dick para abandonar o local. “Fiquei doida, tremia pelo corpo todo”, relatou. Atualmente, Laura vive com medo de sair de casa. Dick mora a 15 minutos de casa da jovem. “Ando há anos em psicólogos e a fazer terapias. Nada funcionou e agora só piorou. Durmo três a quatro horas por noite. Quando vou para a cama ouço as ameaças que ele fazia quando me violava”, recordou. A jovem sente que enquanto Brian Dick está em liberdade e a reconstruir a vida, ela continua a viver “numa prisão pior do que a que ele teve”.