O Sudão está a reprimir com violência protestos que começaram em 19 de Dezembro e têm levado multidões para as ruas de várias cidades contra Omar al-Bashir, no poder há 29 anos e acusado pelo Tribunal Penal Internacional por atrocidades no Darfur.

Roberto Pocaterra Pocaterra

A Human Rights Watch, que verificou a autenticidade das imagens, sublinha a “total impunidade” com que operam as forças do Governo, disparando contra manifestantes desarmados, batendo indiscriminadamente com bastões a detidos em carrinhas, e provocando o pânico em hospitais, entrando e enchendo salas de emergência com gás lacrimogéneo

Mais populares i-album Crónica de jogo Quando o melhor ataque encontra a pior defesa Educação Escola de Canelas suspende aulas de Educação Física por falta de funcionários i-album Biodiversidade A erva-das-pampas até pode ser “bonita”, mas não devia estar por todo lado A organização não-governamental Amnistia Internacional acusa as forças de segurança de uma “ofensiva mortífera” e aponta para mais de 40 mortos, enquanto activistas sudaneses estimam que tenham já morrido mais de 50 pessoas, a maioria atingidas a tiro, incluindo Babiker Abdul Hamid, médico de 25 anos, atingido a 17 de Janeiro quanto tentava tratar feridos. 

O grupo Médicos pelos Direitos Humanos disse que sete hospitais foram directamente atacados

Rússia recebe Bashir, que o TPI quer julgar por crimes contra a humanidade Médicos têm organizado alguns protestos e o site norte-americano de informação Bloomberg descreve como uma associação chamada Associação de Profissionais do Sudão (APS) está a tornar-se uma força de oposição e ameaça ao regime. Formou-se em 2012 e inclui médicos, professores, engenheiros, advogados e jornalistas, sempre na clandestinidade

Antes destes protestos, a APS fomentou discussões sobre as condições económicas do país, que atravessa uma crise que atingiu tanto a classe média como a baixa, a moeda desvalorizou, os bancos estão a ficar sem dinheiro e a inflação chegou aos 70%

Nas redes sociais, a APS dá notícias sobre mortos e feridos nas manifestações e apela abertamente à queda do regime de Bashir

A Human Rigths Watch diz ainda que as forças do Governo detiveram centenas, eventualmente milhares, de manifestantes e críticos do regime, tanto na rua como nas suas casas e locais de trabalho

“Provas irrefutáveis” O melhor do Público no email Subscreva gratuitamente as newsletters e receba o melhor da actualidade e os trabalhos mais profundos do Público

Subscrever × Apesar de uma ordem para os detidos serem libertados, as forças continuam a deter mais pessoas todos os dias. Apenas 186 foram mesmo libertados, nota a organização de defesa de direitos humanos. Muitos mostravam sinais de tortura

“Há provas irrefutáveis de que o Sudão está a usar força implacável e brutalidade contra manifestantes pacíficos e críticos do Governo“, disse Jehanne Henry, da Human Rights Watch. “Estas tácticas violentas têm de acabar imediatamente e os responsáveis têm de ser responsabilizados”, disse Henry num comunicado

“A cada dia que passa a situação é pior e é altura do Conselho de Direitos Humanos enviar investigadores para o país”, pediu a responsável da HRW