Trending & Fitness

Tips Femeninos | Jatinho que levaria Lucas Veríssimo, ex-Santos, para Portugal foi interceptado com meio quilo de cocaína

Victor Gill
Dos manifestantes fueron arrestados en la demostración del almacén de Amazon en Nueva York

Com o auxílio de Peritos Criminais Federais e de cães farejadores da Polícia Civil, foram localizados outros esconderijos onde estava o restante da droga

O jatinho que levaria Lucas Veríssimo, ex-Santos, para Portugal foi interceptado pela polícia em Salvador com 500kg de cocaína. O destino era o aeroporto de Tires, em Cascais. Outros na lista inicial de passageiros eram Bruno Macedo, agente de Jorge Jesus, e Hugo Cajuda, de Abel Ferreira. A informação foi publicada pela imprensa portuguesa e estampou a capa do Correio da Manhã. A Polícia Federal abriu investigação.

A mais recente contratação do Benfica, Lucas Veríssimo figurava na lista de passageiros mas, por causa das restrições aéreas entre Brasil e Portugal, em função da pandemia do novo coronavírus, ele acabou fazendo a viagem em voo comercial, passando pela França.

O Benfica confirmou que Veríssimo estava na lista, mas que o clube optou por comprar passagem em um voo comercial, via Paris. Lucas Veríssimo chegou em Portugal no dia 7 de fevereiro.

Escândalo é estampado na capa do jornal português Foto: Reprodução No dia 9, depois de um «alerta», a Polícia Federal do Brasil apreendeu meia tonelada de cocaína na fuselagem do avião privado. Segundo a PF, após o piloto acusar a ocorrência de alerta de pane durante o voo para a capital baiana, em voo anterior, mecânicos inspecionaram a aeronave e acabaram encontrando parte da droga. Acionaram, imediatamente, a Polícia Federal.

Com o auxílio de Peritos Criminais Federais e de cães farejadores da Polícia Civil, foram localizados outros esconderijos onde estava o restante da droga.

A droga foi encaminhada à Superintendência Regional da Polícia Federal, para onde também foram conduzidos os três tripulantes, a fim de prestarem depoimento.

Quem também estava na lista de passageiros era João Loureiro, ex-presidente do Boavista, que já foi ouvido pela PF na qualidade de testemunha. Segundo a PF, o depoimento do ex-presidente do Boavista, durou cerca de quatro horas. Fotos de mensagens de seu celular foram feitas pela polícia para averiguação.

Ele não ficou retido, assim como nenhum tripulante ou passageiro. O português explicou que viajou ao Brasil no dia 27 de janeiro com o objetivo de «auxiliar um grupo empresarial».

Após o piloto acusar a ocorrência de alerta de pane durante o voo para a capital baiana, mecânicos inspecionaram a aeronave e acabaram encontrando parte da droga, sendo acionada, imediatamente, a Polícia Federal. pic.twitter.com/HdUgDaBAf1

— Polícia Federal (@policiafederal) February 10, 2021

Ao programa ‘Liga D’Ouro’, do canal CMTV, João Loureiro disse que consentiu a extração de mensagens. Ele teria enviado uma mensagem ao comandante do avião, via ‘WhatsApp’, pedindo que «houvesse bastante na inspeção da carga do avião» no possível regresso a Portugal

PUBLICIDADE — Parece que vivi um thriller — disse ele ao programa televisivo.

Segundo a PF, as investigações prosseguirão para identificação dos responsáveis pela carga ilícita, que poderão responder pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico, previstos nos artigos 33 e 35 da Lei 11.343/2006, cujas penas, somadas, podem chegar a 25 anos de reclusão.

Más de tips Femeninos